Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

TERAPIA DAS PALAVRAS...

Viver é aceitar que cada minuto é um milagre que não poderá ser repetido..!

TERAPIA DAS PALAVRAS...

Viver é aceitar que cada minuto é um milagre que não poderá ser repetido..!

Eu sei que doi....

Calimero, 04.09.13

Eu sei que dói.  

Há momentos em que a alma é demasiadamente grande para caber no nosso corpo e o mundo parece pequeno demais.  

 É então que nos vem uma ânsia de voar, de sonhar que bastaria abrir a janela, abrir os abraços e levantar voo para longe de tudo e de todos.  

Nascer de novo e ser diferente e ser igual e sonhar como da primeira vez, saborear a paixão como da primeira vez, sentir o medo na ...boca do estômago pela primeira vez e pela primeira vez transformá-lo em nada mais que uma formiga espalmada no chão.  

Eu sei que dói.  

Que muitas e muitas vezes gostaríamos de acordar exactamente igual a todos.

Aqueles que nos rodeiam e levam a vida como é suposto, sem almejar por castelos para conquistar nem aventuras maravilhosas à porta de casa. 

Os dias nunca são iguais.

Às vezes a dor no peito é que é igual e precisamos rapidamente de sentir o ar no rosto, sentir o cheiro da chuva e abrir a porta e sair sem destino. 

Temos longas batalhas dentro de nós.

O cérebro que nunca consegue pensar numa só coisa, o corpo que não se satisfaz enquanto não esgotamos toda e qualquer energia, para fazer nascer outra e outra.

Temos medos que os outros não conhecem porque nunca acreditaram em dragões, nem cavalos alados, nem em céus vermelhos de sangue com nuvens de todas as cores do arco-íris. 

Eu sei que dói.

Dói de cada vez que nos apaixonamos por um projecto, por um sonho impossível, por um objectivo, por alguém e depois, muito antes de toda a gente, já o imaginámos, já o concretizámos e de repente o que era urgente e fundamental e o mais importante do mundo torna-se assunto resolvido, passado, algo sem interesse.

Claro que os outros têm tudo o resto. O sossego do corpo, da alma e do coração, dos músculos e sonos profundos sem pesadelos e passeios perdidos entre labirintos.

Claro que os outros têm tantas coisas e contudo parecem-nos de um vazio total.  

É tão difícil encontrar alguém que tenha interesse por mais de meia hora, que tenha conversa ou ideias ou apenas loucuras de visionário. 

Se tivéssemos nascido há séculos atrás, partiríamos a explorar o Pólo Norte, o deserto mais longínquo onde, temos a certeza absoluta, iríamos encontrar o Principezinho com a sua rosa.

Agora, que acabaram as caravelas, as cruzadas e os moinhos de vento, cabe-nos inventar tudo de novo, com outros nomes e outras formas mas sabendo nós que tudo já foi inventado, todos os grandes livros já foram escritos, os grandes filmes realizados e só nos resta fingir que todos os dias partimos montados em cavalos alados, galgando as colinas de Lisboa e aterrando em planetas sem nome ou apenas no outro lado da rua, tanto faz.   Eu sei que dói porque nunca nada é tão grande, nem tão forte, nem tão duradouro quanto sonhámos.

Apenas o medo.

Apenas a tristeza de sermos estrangeiros onde quer que estejamos, seja com quem for que estejamos.

 É tudo uma questão de tempo até o tempo nos pesar demais, até qualquer pessoa, seja ela quem for, se tornar pesada demais para ocupar o ar que respiramos.

 Vivemos meio-dia em pleno Verão, beijados por um sol que nos aquece o sangue e nos dá uma força de vida inacreditável para os outros, e de repente sem aviso, sem nada, a luz desaparece e fica noite sem luar, e a tristeza instala-se até nos fazer doer os ossos, e as lágrimas não são lágrimas mas farpas que atiramos a alguém, seja quem for.   Contudo, nós amamos total e incondicionalmente.

 Durante o tempo que dura e que não sabemos medir e explicar, amamos e queremos fazer rir a quem amamos, quereremos dar-lhe o mundo numa caixa de chocolates e numa mão cheia de estrelas. 

 No dia em que acordamos e descobrimos que já partimos e não sabíamos, que apenas o nosso corpo, qual carcaça sem préstimo para ali está, nesse dia e uma vez mais, o lado negro da noite sem luar toma conta de nós e mais nada há a fazer. 

 Eu sei que dói.

 Porque a vida parece começar depressa mas não é verdade.

Quando damos por nós e somos adultos, aí sim, os dias deixam de ter vinte e quatro horas e falta-nos fazer tanto, não sabemos o quê, nem onde, mas sabemos que há uma porta à nossa espera, uma fresta escondida por onde vamos fugir para sempre, nem que seja só até amanhã.

Eu sei que dói mas é assim e não vale a pena tentar que seja diferente. 

Digo-te eu que tentei ser a menina exemplar, a mulher exemplar e um dia abri os braços e voei, mesmo que ninguém tenha sabido, aterrei com o corpo no chão e nunca fiz mais nada até hoje senão levantar-me e tornar a cair e tornar a levantar-me.   A vida é um mistério tão maravilhoso que a maior parte das vezes nos confunde, nos embriaga ou nos deixa de rastos, não sei explicar porquê, mas é assim.

 Eu sei que dói mas os outros têm outras dores.

 Os outros, todos os outros com quem fazemos um esforço para lidar, para criar laços, para estabelecer pontes e contudo estamos sempre sozinhos, nós e a nossa cabeça que não pára de sonhar, de rodar e rodopiar.

Como dizia Pessoa, o melhor do mundo são as crianças.

E a criança que há em nós não cresce nunca, não deixa nunca de ser o menino com medo do escuro e vontade de espreitar o que está para lá do muro.

Mas é essa eterna criança que nos levará ao colo a vida toda e nos permitirá fazer grandes coisas.

Grandes feitos, grandes sofrimentos, grandes desilusões, grandes culpas. 

Eu sei que dói mas acredita, não querias ser como todos os outros porque tudo o que ainda vais viver é incomensuravelmente maior do que eles podem sequer imaginar.   Nunca mintas.

Nunca deixes de sonhar e nunca te esqueças que a única coisa verdadeira nesta vida, neste planeta, neste momento exacto da história do universo é a carne da tua carne.   Tudo o resto é passageiro, quimeras e fumos de queimadas de Verão. 

A razão de termos vindo aqui é essa. A de olhar para um ser que concebemos e perceber a dimensão desse amor.

Eu sei que vai doer a vida inteira.

Porque o amor verdadeiro é este e por isso é como uma parte do nosso corpo que nos é retirada e vive fora de nós. 

Somos livres de tudo e para sempre, exceptuando deste amor infinito!


 

Eu sei que dói. Há momentos em que a alma é demasiadamente grande para caber no nosso corpo e o mundo parece pequeno demais. É então que nos vem uma ânsia de voar, de sonhar que bastaria abrir a janela, abrir os abraços e levantar voo para longe de tudo e de todos. Nascer de novo e ser diferente e ser igual e sonhar como da primeira vez, saborear a paixão como da primeira vez, sentir o medo na boca do estômago pela primeira vez e pela primeira vez transformá-lo em nada mais que uma formiga espalmada no chão. Eu sei que dói. Que muitas e muitas vezes gostaríamos de acordar exactamente igual a todos. Aqueles que nos rodeiam e levam a vida como é suposto, sem almejar por castelos para conquistar nem aventuras maravilhosas à porta de casa. Os dias nunca são iguais. Às vezes a dor no peito é que é igual e precisamos rapidamente de sentir o ar no rosto, sentir o cheiro da chuva e abrir a porta e sair sem destino. Temos longas batalhas dentro de nós. O cérebro que nunca consegue pensar numa só coisa, o corpo que não se satisfaz enquanto não esgotamos toda e qualquer energia, para fazer nascer outra e outra. Temos medos que os outros não conhecem porque nunca acreditaram em dragões, nem cavalos alados, nem em céus vermelhos de sangue com nuvens de todas as cores do arco-íris. Eu sei que dói. Dói de cada vez que nos apaixonamos por um projecto, por um sonho impossível, por um objectivo, por alguém e depois, muito antes de toda a gente, já o imaginámos, já o concretizámos e de repente o que era urgente e fundamental e o mais importante do mundo torna-se assunto resolvido, passado, algo sem interesse. Claro que os outros têm tudo o resto. O sossego do corpo, da alma e do coração, dos músculos e sonos profundos sem pesadelos e passeios perdidos entre labirintos. Claro que os outros têm tantas coisas e contudo parecem-nos de um vazio total.  É tão difícil encontrar alguém que tenha interesse por mais de meia hora, que tenha conversa ou ideias ou apenas loucuras de visionário. Se tivéssemos nascido há séculos atrás, partiríamos a explorar o Pólo Norte, o deserto mais longínquo onde, temos a certeza absoluta, iríamos encontrar o Principezinho com a sua rosa. Agora, que acabaram as caravelas, as cruzadas e os moinhos de vento, cabe-nos inventar tudo de novo, com outros nomes e outras formas mas sabendo nós que tudo já foi inventado, todos os grandes livros já foram escritos, os grandes filmes realizados e só nos resta fingir que todos os dias partimos montados em cavalos alados, galgando as colinas de Lisboa e aterrando em planetas sem nome ou apenas no outro lado da rua, tanto faz. Eu sei que dói porque nunca nada é tão grande, nem tão forte, nem tão duradouro quanto sonhámos. Apenas o medo. Apenas a tristeza de sermos estrangeiros onde quer que estejamos, seja com quem for que estejamos. É tudo uma questão de tempo até o tempo nos pesar demais, até qualquer pessoa, seja ela quem for, se tornar pesada demais para ocupar o ar que respiramos. Vivemos meio-dia em pleno Verão, beijados por um sol que nos aquece o sangue e nos dá uma força de vida inacreditável para os outros, e de repente sem aviso, sem nada, a luz desaparece e fica noite sem luar, e a tristeza instala-se até nos fazer doer os ossos, e as lágrimas não são lágrimas mas farpas que atiramos a alguém, seja quem for. Contudo, nós amamos total e incondicionalmente. Durante o tempo que dura e que não sabemos medir e explicar, amamos e queremos fazer rir a quem amamos, quereremos dar-lhe o mundo numa caixa de chocolates e numa mão cheia de estrelas. No dia em que acordamos e descobrimos que já partimos e não sabíamos, que apenas o nosso corpo, qual carcaça sem préstimo para ali está, nesse dia e uma vez mais, o lado negro da noite sem luar toma conta de nós e mais nada há a fazer. Eu sei que dói. Porque a vida parece começar depressa mas não é verdade. Quando damos por nós e somos adultos, aí sim, os dias deixam de ter vinte e quatro horas e falta-nos fazer tanto, não sabemos o quê, nem onde, mas sabemos que há uma porta à nossa espera, uma fresta escondida por onde vamos fugir para sempre, nem que seja só até amanhã. Eu sei que dói mas é assim e não vale a pena tentar que seja diferente. Digo-te eu que tentei ser a menina exemplar, a mulher exemplar e um dia abri os braços e voei, mesmo que ninguém tenha sabido, aterrei com o corpo no chão e nunca fiz mais nada até hoje senão levantar-me e tornar a cair e tornar a levantar-me. A vida é um mistério tão maravilhoso que a maior parte das vezes nos confunde, nos embriaga ou nos deixa de rastos, não sei explicar porquê, mas é assim. Eu sei que dói mas os outros têm outras dores.  Os outros, todos os outros com quem fazemos um esforço para lidar, para criar laços, para estabelecer pontes e contudo estamos sempre sozinhos, nós e a nossa cabeça que não pára de sonhar, de rodar e rodopiar. Como dizia Pessoa, o melhor do mundo são as crianças. E a criança que há em nós não cresce nunca, não deixa nunca de ser o menino com medo do escuro e vontade de espreitar o que está para lá do muro. Mas é essa eterna criança que nos levará ao colo a vida toda e nos permitirá fazer grandes coisas. Grandes feitos, grandes sofrimentos, grandes desilusões, grandes culpas. Eu sei que dói mas acredita, não querias ser como todos os outros porque tudo o que ainda vais viver é incomensuravelmente maior do que eles podem sequer imaginar. Nunca mintas. Nunca deixes de sonhar e nunca te esqueças que a única coisa verdadeira nesta vida, neste planeta, neste momento exacto da história do universo é a carne da tua carne. Tudo o resto é passageiro, quimeras e fumos de queimadas de Verão. A razão de termos vindo aqui é essa. A de olhar para um ser que concebemos e perceber a dimensão desse amor. Eu sei que vai doer a vida inteira. Porque o amor verdadeiro é este e por isso é como uma parte do nosso corpo que nos é retirada e vive fora de nós. Somos livres de tudo e para sempre, exceptuando deste amor infinito!@[133498080167882:274:Luísa Castel-Branco]

 

Publicado por "Fabrica de Escrita" via Facebook