Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

TERAPIA DAS PALAVRAS...

Viver é aceitar que cada minuto é um milagre que não poderá ser repetido..!

TERAPIA DAS PALAVRAS...

Viver é aceitar que cada minuto é um milagre que não poderá ser repetido..!

Gente Perdida!

Calimero, 31.01.20

th[4].jpg

 

Eu fui devagarinho
Com medo de falhar
Não fosse esse o caminho certo
Para te encontrar
Fui descobrindo devagar
Cada sorriso teu
Fui aprendendo a procurar
Por entre sonhos meus

Eu fui assim chegando
Sem entender porquê
Já foram tantas vezes tantas
Assim como esta vez
Mas é mais fundo o teu olhar
Mais do que eu sei dizer
É um abrigo pra voltar
Ou um mar pra me perder

Lá fora o vento
Nem sempre sabe a liberdade
A gente finge
Mas sabe que não é verdade
Foge ao vazio
Enquanto brinda, dança e salta
Eu trago-te comigo
E sinto tanto, tanto a tua falta

Eu fui entrando pouco a pouco
Abria a porta e vi
Que havia lume aceso
E um lugar pra mim
Quase me assusta descobrir
Que foi este sabor
Que a vida inteira procurei
Entre a paixão e a dor

Lá for a o vento
Nem sempre sabe a liberdade
Gente perdida
Mas sabe que não é verdade
Foge ao vazio
Enquanto bebe, dança e ri
Eu trago-te comigo
E guardo este abraço só para ti!

E Alentejana e escreve e canta coisas maravilhosas!!

Mafalda Veiga

 

 

 

Conversas de dentro!

Calimero, 30.01.20

"

E como no mergulho quente na lembrança das minhas memórias, olho-te para dentro, choro-te por dentro, sorrindo-te,

todo tu, 

toda eu,

por, para e de dentro."

OIP60405JCA.jpg

 

- Encontrei-te no fim da linha, lembras-te?

- Lembro sim.

 

Fins de tarde que pedem conversa à desgarrada,  tertúlias mornas de palavras soltas. E as memórias que nos abraçam forte, ali entre o corpo e o sonho.

Sorris-me de frente, e enches-me o copo de vinho.

Bebo um golo grande.

Quero vinho, sol em despedida, e um beijo teu.

 

- A vida fez-te mais bonita, sabes?

Sorrio-te de volta. Ainda sinto embaraço de menina com a tua ousadia.

- Vejo que a ti a vida fez-te mais destemido.

- E isso é bom ou mau?

 

Passa um bando de andorinhas. E o vinho escorrega quente dentro de mim.

 

- Diria que é bom, sim.

 

Sorris-me de novo.

 

- E conta-me princesa. Foste feliz?

 

Agora sorrio-te eu, e espanto-me com o teu baixar de olhos. Volto atrás em breves segundos e relembro a minha vida. Procuro-lhe a música e a cor, mordo com força os lábios para sentir o sabor das minhas memórias.

E o vinho escorrega quente em mim.

E naquele exato momento, faz sentido o medo e o sol e a vida.

Não consigo encontrar palavras ao que sinto, mas tenho vontade de chorar a sorrir, como quando olhamos pela primeira vez um primeiro filho acabado de sair de nós.

 

- Fui sim. Fui muito feliz.

 

Procuro no teu olhar a tua história. E ainda que julgues que te escondes, mesmo não sendo eu corajosa o suficiente para te perguntar, vejo-te inteiro. E a minha felicidade parece, de repente, névoa húmida de dia de verão.

Acabo o copo de vinho de um trago.

Decidimos sem palavras que a conversa vai continuar assim, na franqueza bruta sem as palavras faladas. E é então que começamos, finalmente, a falar. Estendes a mão e agarras a minha. O calor em fúria que sinto gela-me os dedos, deixo de saber as regras mais básicas da vida, e o ar deixa de entrar e de sair, está ali todo preso no meu peito. E então o mundo rebenta em mim e eu conto-te nas minhas milhões de lágrimas. Conto-te, conto-me, conto-nos, o que fomos, o que somos, e o que não seremos.

E como no mergulho quente na lembrança das minhas memórias, olho-te para dentro, choro-te por dentro, sorrindo-te,

todo tu, 

toda eu,

por, para e de dentro.

 

Do blogue:

https://historiasavulso.blogs.sapo.pt/conversas-de-dentro-29079

 

Ela era poesia!!

Calimero, 27.01.20
 
Ela guardava as palavras debaixo da almofada.
Na segunda gaveta da cómoda de cerejeira.
Não as deixava fugir das páginas dos livros.
Saboreava- as ao pequeno almoço com o pão com manteiga.
Roubava-as às pessoas que passavam por ela e não sentia remorsos.
Escondia-as no frigorífico para que se mantivessem frescas. Como alfaces.
Semeava-as em vasos de barro e esperava, pacientemente, que florescessem.
Colhia-as quando deambulava pela cidade grande.
Nas catedrais. Nos becos dos bairros de ruelas estreitas. Nas frestas das fachadas dos prédios pombalinos.
Até nos elevadores que a levavam aos miradouros para descansar o olhar. Nos museus e nos monumentos de pedra bordados.
Dela saíam palavras pelo decote. Dos sacos das compras. Do cabelo pintado da cor das papoilas. Das gargalhadas.
Ele apareceu na vida dela e foi amor à terceira vista.
Ele prometeu-lhe um mundo. O seu.
Fez-lhe uma serenata.
Mas ela só lhe disse, tristemente, aquele amor era impossível.
Ela era poesia. Ele não sabia ler.
 
(Mena Geraldes)

OIP[1].jpg

 

Foi um dia!

Podia ser hoje!

Calimero, 24.01.20
Foi um dia, e outro dia, e outro ainda.
Só isso: o céu azul, a sombra lisa,
o livro aberto.
E algumas palavras.
Poucas, ditas como por acaso.
 
Eram, contudo, palavras de amor.
Não propriamente ditas, antes adivinhadas.
Ou só pressentidas.
Como folhas verdes de passagem.
Um verde, digamos, brilhante,
de laranjeiras.
 
Foi como se de repente chovesse:
as folhas, quero dizer, as palavras brilharam.
Não que fossem ditas,
mas, eram de amor, embora só adivinhadas.
Por isso brilhavam.
Como folhas molhadas.
 
(Eugenio de Andrade)
 

OIPVZ2PRZ2O.jpg

 

Se tu viesses ver-me.!!

Calimero, 23.01.20

"Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti..."


Florbela Espanca

 

OIP[4].jpg

     (imagem net)

Pessoas como tu!...

Calimero, 21.01.20

São as pessoas como tu que fazem com que o nada queira dizer-nos algo, as coisas vulgares se tornem coisas importantes e as preocupações maiores sejam de facto mais pequenas.

São as pessoas como tu que dão outra dimensão aos dias, transformando a chuva em delirante orvalho e fazendo do inverno uma estação de rosas rubras.
As pessoas como tu possuem não uma, mas todas as vidas. Pessoas que amam e se entregam porque amar é também partilhar as mãos e o corpo.

Pessoas que nos escutam e nos beijam e sabem transformar o cansaço numa esperança aliciante, tocando-nos o rosto com dedos de água pura, soltando-nos os cabelos com a leveza do pássaro ou a firmeza da flecha.

São as pessoas como tu que nos respiram e nos fazem inspirar com elas o azul que há no dorso das manhãs, e nos estendem os braços e nos apertam até sentirmos o coração transformar o peito numa música infinita.

São as pessoas como tu que não nos pedem nada mas têm sempre tudo para dar, e que fazem de nós nem ícaros nem prisioneiros, mas homens e mulheres com a estatura da vida, capazes da beleza e da justiça, do sofrimento e do amor.

São as pessoas como tu que, interrogando-nos, se interrogam, e encontram a resposta para todas as perguntas nos nossos olhos e no nosso coração.

As pessoas que por toda a parte deixam uma flor para que ela possa levar beleza e ternura a outras mãos.

Essas pessoas que estão sempre ao nosso lado para nos ensinar em todos os momentos, ou em qualquer momento, a não sentir o medo, a reparar num gesto, a escutar um violino.

São as pessoas como tu que ajudam a transformar o mundo.

Joaquim Pessoa

OIP[3].jpg

 

 

Existir tanto!

Calimero, 10.01.20
Não sei se esta estrada de sonho
que me atravessa cabe nas palavras de um poema.
Não sei sequer se há palavras para este estranho vento
que se levanta
e para a lava incandescente dos sonhos
nas noites que duram tanto
(E me deixam exausto!)
 
Mas sei…
Que o mundo fica devagar
nas maçãs do teu rosto
e nos campos de papoilas ondulantes.
 
Que o vento se engasga
nos teus finos lábios
e nas searas de trigo doirado.
 
Que o tempo adormece
na ternura da cor dos teus olhos
e nesta vontade imensa de te amar .
 
Sei que o sol que abraço
tem o teu sorriso ao amanhecer
e que me traz a primavera,
a música infinita e as frestas vazias
do chão que quero pisar.
 
Arrumo as dores
nos umbrais dos sonhos
porque sei…
que depois de tanto viajar
neste labirinto de paixão,
cada sombra mágica e coleante de ti
é por si mesma um poema,
um poema…
um ninho de palavras…
a minha noite…
a minha madrugada…
o meu dia…
a sinfonia da vida.
 
E eu, já perdido,
é em ti que me encontro
é em ti que busco a
outra ilha de mim,
para existir tanto!...
 
[ © António Carlos Santos ]
 
In: Poesia " da Geometria do Amor" ( Seda Publicações) 
 

OIPMMGVC13Z.jpg

 

═══════════════════

Pág. 1/2